MUNDOS

Mundos

HOT ROD

Os carros antigos com mecânicas novas, principalmente com motores V8 são divididos em HOT ROD e os STREET ROD. A principal diferença são os estilos. Enquanto os legítimos Hot Rod são derivados dos carros das décadas de 20 e 30, com mecânicas bravas, desprovidos de paralamas e com um mínimo de conforto, os Street Rod são os automóveis com acabamento bem mais sofisticado e uso de muitos cromados, principalmente no motor. Normalmente utilizam-se mecânicas atuais, mantendo-se os motores V8 como padrão.
O mundo HOT ROD compreende um mercado em franca ascensão no Brasil. Como aqui não temos opções de motores, os mais utilizados são os Ford V8 302, utilizados nos Landau e Maverick, e, os 6 cilindros em linha, utilizados nos Chevrolet Opala. O universo HOT ROD existe praticamente no mundo todo, porém, a Meca é nos EUA, principalmente no estado da Califórnia, onde estão concentrados os principais fabricantes de carros e peças. A fabricação de um Hot Rod não tem limite de valores empregados e os proprietários admitem que um HOT nunca está pronto, sempre existe algum item para ser modificado ou melhorado.
  Comprar um HOT pronto é sempre complicado a não ser que se saiba exatamente quem fez e como o carro foi feito. Existe uma tênue linha entre o bom e o mau gosto e algumas aberrações são vistas em encontros de carros. Sugerimos, portanto, que cada um faça o seu carro dentro de suas limitações de dinheiro e dentro de seu gosto. Comprar um carro feito com o gosto de outra pessoa até que não é tão complicado, mas saber como foi feita a mecânica já é um outra história. Itens como freios, suspensão, direção que afetam diretamente a segurança têm que ser feitos com o maior critério possível e por profissionais experientes. O bom equilíbrio de um HOT ou STREET está num visual agradável, aliado a uma mecânica perfeita. Também para se comprar um carro, seja ele clássico ou hot, é sempre bom consultar algum especialista, já que há comerciantes que se aproveitam da inexperiência para fazer negócios absurdos no que diz respeito à qualidade versus preço.

CLASSIC

No universo dos carros antigos, o mundo CLASSIC se distingue pelos carros conservados  dentro  da  sua  originalidade
Para se determinar o grau de originalidade de um carro foi criada a categoria de “Placa Preta”, que é concedida a carros com notas mínimas, atingidas através de vistoria feita por especialistas credenciados pela Federação Brasileira de Veículos Antigos. Os clássicos nacionais mais conhecidos são os Simca, Aero Willys, DKW, Interlagos, Chevrolet Brasil, Ford F100, Landau, Galaxie 500, Maverick, Dodge, entre outros.
Os importados são um número enorme, pois neles estão englobados carros do mundo todo.
A restauração de um carro antigo demanda muita paciência e, em muitos casos, uma boa soma em dinheiro. Os valores de carros clássicos dependem de muitos fatores e é muito difícil chegar a um consenso sobre esse assunto.
  De qualquer maneira sempre é bom consultar um especialista ao se adquirir um carro clássico.Alguns carros ainda tem peças fabricadas novas hoje em dia tais como os Bel Air de 55 a 57 e vários outros carros mais populares nos EUA. Alguns puristas não aceitam a colocação de peças novas na restauração, pois, essas peças não possuem a mesma idade do carro, o que descaracteriza a originalidade. Há uma grande discussão entre a turma do Hot e a turma do Classic. Enquanto o pessoal do Classic defende a originalidade a qualquer preço, os Hots se defendem alegando que, ao fazer um Hot, ressuscitaram um carro que estava no ferro-velho. Esse assunto vai durar muito tempo ainda até que as duas facções concordem que Hot ou Classic, todos são amantes dos carros antigos.

MOTO

O universo da MOTOCICLETA compreendeum mundo de diversas tribos com Hell’s Angels mais radicais e os BMW Motorad mais comportados.
De qualquer maneira é um universo apaixonante, pois a quantidade de motociclistas é enorme. Existem desde aqueles que usam suas fotos diariamente como meio de transporte ou como ferramenta de trabalho, até aqueles que diariamente estão “engravatados” e nos fins de semana colocam sua bandana na cabeça e saem rodando com suas máquinas pelas ruas e estradas.
No Brasil Existem centenas de clubes de motociclistas que organizam eventos e encontros onde a conversa, quase sempre, gira ao redor do mesmo assunto: “A Motocicleta”. Não existe distância para essa turma. Quanto há um encontro, seja onde for, eles estarão lá.
As tribos são identificadas normalmente pelo estilo das motos que são utilizadas pelos grupos, porém existem motos que são conhecidas como “sem turma” por não fazerem parte de nenhum estilo definido e possuírem estilo próprio como, por exemplo, a BMW CS, Yamaha TDM, Yamaha V Max e a Harley Davidson V-Road.
Podemos concluir que esse universo das motos é muito dinâmico, grande, variado, e movimenta milhões de dólares anualmente em motos, acessórios, viagens, eventos, publicações, vestimentas, preparações, customizações, e uma infinidade de outros itens.
Podemos identificar algumas tribos como:
- “ESPORTIVAS”. Essa turma normalmente é vista nos finais de semana em estradas sinuosas como a estrada
  para a Serra Negra e Águas de Lindóia ou estradas abertas como a Rodovia dos Bandeirantes, Castelo Branco entre outras.
- Os trilheiros e suas motos “TRAIL” é outra tribo que se reúne nos finais de semana e colocam suas motos em trilhas para curtir a natureza de perto. Às vezes até perto demais, pois os tombos fazem parte do divertimento.
- As motos “CUSTOM” identificam outra tribo cujos ícones são as motos Harley Davidson e suas réplicas, cópias, clones (chame como quiser). Essa turma talves seja a que mais gasta em acessórios e customização de suas máquinas, pois não se encontra duas motos iguais nesse segmento.
- “MOTOBOYS” – Possivelmente considerada a tribo mais polêmica de todas. Por um lado, a necessidade de sobrevivência através de um trabalho de extrema periculosidade e, por outro, a imprudência e intolerância no trânsito das grandes cidades. Mas a questão é a seguinte: ninguém nas grandes cidades vive sem o trabalho dos motoboys, até sem saber.
- Temos a tribos dos “VIAJANTES” que utilizam motos “BIG TRAIL” como as BMW GS, Honda Varadero, Suzuki V Storm e outras, não estilo trail, como Honda Gold Wing, BMW RT, etc.- Quando entramos em competições temos outro mundo com corridas de asfalto, lama, neve, subida de montanha, a clássica corrida da ilha de man e muitas outras.